PARLIAMENT – OSMIUM (1970)

    Rápido e certeiro, a dica da vez é o álbum Osmium, de 1970, estréia do Parliament, clássica trupe formada em Detroit e comandada por Mr. George Clinton. Lembro que quando achei este LP mal pude acreditar que a busca de anos havia terminado: vinil lacrado de 180 gramas, prensagem italiana impecável, capa dupla, encarte… e de brinde uma coleção de grandes canções. Quem conhece os discos do Parliament e do Funkadelic, não tem dúvidas em apontar George Clinton como um dos maiores inovadores do funk ao lado de James Brown e Sly Stone, outros monstros sagrados do estilo.

 

    No que diz respeito a carreira de George Clinton, The Parliaments foi a primeira encarnação musical sob custódia do genial produtor, compositor e arranjador americano. Inspirado nos Temptations, o grupo vocal de doo-wop foi criado na segunda metade dos anos 50, em New Jersey, e costumava se apresentar na barbearia onde Clinton trabalhava. Depois de algumas alterações, a formação com Clinton, Raymond Davis, Clarence Fuzzy Haskins, Calvin Simon e Grady Thomas se estabilizou. A trupe atravessou os anos 60 realizando apresentações não só na barbearia de New Jersey, como também em bares e clubes noturnos de Detroit. Nesse compasso, o grupo acumulava gravações demos, singles fracassados e mudanças de gravadora.

 

    Em 1967, o quinteto finalmente conseguiu emplacar o primeiro hit nas paradas norte-americanas: o single “(I Wanna) Testify”, tema lançado em compacto pelo selo Revilot. Mas a alegria dos rapazes com o sucesso repentino durou pouco. Em 1968, a poderosa gravadora Motown comprou o pequeno selo e conquistou todos os direitos autorais da canção, deixando a trupe sem música, sem nome, sem selo e sem grana. Só quando George Clinton assinou com os selos Invictus (que contratou o Parliament já com a pequena alteração no nome) e Westbound Records (que acolheu sua nova criação, o Funkadelic) é que a doutrina P-Funk se estabeleceu e se solidificou.

 

Mr. George Clinton: o cérebro por trás do Parliament / Funkadelic

.

    A partir daí fica difícil desassociar o coletivo Parliament-Funkadelic. Duas indústrias sonoras com características diferentes, mas objetivos bem comuns: fabricar o groove em escala espacial. De um lado o Funkadelic, estremecendo os alicerces do funk com seu som experimental, pesado e psicodélico, totalmente influenciado pelo balanço black ‘n’ roll de Sly & Family Stone e pela guitarra ácida de Jimi Hendrix. Do outro, o Parliament, trazendo uma estrutura sônica mais acessível, com uma levada mais dançante e funky, onde as linhas de baixo e os metais aparecem com maior destaque do que as guitarras. 

 

    Na metade dos anos 70, a sonoridade do coletivo se aproxima de tal forma que fica difícil diferenciar uma banda da outra. Um fator que contribuiu para essa equação foi a união dos integrantes das duas facções para celebrar, por diversas vezes, a instituição P-Funk. Shows intermináveis e apresentações energéticas que poderiam durar até o amanhecer, contando em média com mais de 20 integrantes. Só para se ter uma idéia, algumas apresentações contavam com até cinco guitarristas, dois tecladistas, dois bateristas e dois baixistas, além dos vocalistas e da tropa de metais (no caso, os Horny Horns de Fred Wesley e Maceo Parker). Acrescente a isso tudo, cenários e figurinos surreais (óculos futuristas, chapéus de todos os formatos, perucas espalhafatosas, calçados com saltos enormes, capas e plumas coloridas, maquiagens…). Doideira geral! 

 

    Mas voltando a falar sobre o álbum Osmium, a formação que marca a estréia do combo Parliament, agrupava o famigerado quinteto vocal das antigas (Clinton, Raymond Davis, Fuzzy Haskins, Calvin Simon e Grady Thomas), mais o reforço do pessoal do Funkadelic incrementando as gravações: Bernie Worrell (teclados), Eddie Hazel (guitarra solo), Tawl Ross + Garry Shider (guitarra rítmica), William ‘Billy Bass’ Nelson (baixo) e Tiki Fulwood + Tyrone Lampkin (bateria). Vale lembrar que o lendário baixista William “Bootsy” Collins só entraria para turma de Mr. Clinton em 1972, participando ativamente das duas agremiações. Mais P-Funk que isso impossível.

 

Cartaz anunciando show do P-Funk

.

    Musicalmente falando, o álbum mostra uma eclética coleção de estilos com George Clinton maquinando as bases para futuros temas do Funkadelic. Na verdade, o que se ouve é um som bem diferente do balanço arrasa-quarteirão dos álbuns seguintes do Parliament. Está muito mais para um álbum do Funkadelic do que do Parliament. Um funk encharcado de psicodelia black power (“Moonshine Heather” e “Funk Woman”), com guitarras e vocais energeticamente poderosos (“I Call My Baby Pussycat” é uma das minhas preferidas), em meio a paródias country (sério mesmo… escutem “Little Ole Country Boy” ou “My Automobile” e comprovem) e repleto de corais e temas gospel (“Oh Lord, Why Lord / Prayer”, “Livin’ The Life” e “The Silent Boatman” são puro transe espiritual).

.

    Destaque para as belas vocalizações da trupe, além das sensacionais intervenções guitarrísticas de Eddie Hazel (que usa e abusa dos pedais de efeito) e dos teclados maneiros do genial Bernie Worrell. Um disco sensacional que não dá para desprezar nenhuma das faixas. Nos anos 90, Osmium foi relançado e distribuído por diversos selos nos Estados Unidos, Europa e Japão. As novidades ficam por conta dos títulos alternativos na capa (Rhenium e First Thangs) e das faixas bônus (singles e trilhas) que foram subtraídas do álbum original. Vale a pena correr atrás não só deste mas de outros títulos orquestrados pela mente fantástica de Mr. George Clinton, simplesmente o Frank Zappa do funk. P-Funk rules!!

.

Faixas: 01. I Call My Baby Pussycat / 02. Put Love in Your Life / 03. Little Ole Country Boy / 04. Moonshine Heather / 05. Oh Lord, Why Lord – Prayer / 06. My Automobile / 07. Nothing Before Me but Thang / 08. Funky Woman / 09. Livin’ the Life / 10. The Silent Boatman / Bônus: 11. Red Hot Mama / 12. Breakdown (Alternative Stereo Mix) / 13. Come in Out of the Rain (Stereo Mix of 45) / 14. Fantasy Is Reality / 15. Unfinished Instrumental / 16. Loose Booty / 17. Breakdown (Mono 45 Version)

.

PARLIAMENT – OSMIUM (1970) [àlbum completo]

PARLIAMENT – I CALL MY BABY PUSSYCAT

.

PARLIAMENT – PUT LOVE IN YOUR LIFE

PARLIAMENT – LITTLE OLE COUNTRY BOY

PARLIAMENT – MOONSHINE HEATHER

PARLIAMENT – OH LORD, WHY LORD – PLAYER

PARLIAMENT – MY AUTOMOBILE

PARLIAMENT – FUNK WOMAN

GEORGE CLINTON / 420 FUNK MOB – FUNK WOMAN

PARLIAMENT – LIVIN’ THE LIFE

PARLIAMENT – THE SILENT BOATMAN

FUNKADELIC – RED HOT MAMA

PARLIAMENT – BREAKDOWN

PARLIAMENT – COME IN OUT OF THE RAIN

PARLIAMENT – UNFINISHED INSTRUMENTAL

PARLIAMENT – LOOSE BOOTY

6 respostas a PARLIAMENT – OSMIUM (1970)

  1. […] Rápido e certeiro, a dica da vez é o álbum Osmium de 1970, estréia do Parliament, clássica trupe formada em Detroit e comandada por Mr. George Clinton . Lembro que quando achei este LP, mal pude acreditar que a busca de anos havia …Continue Reading […]

  2. PC Gang diz:

    Excelentes indicações da funk music.Depois de Kashemer Stage Band e Headhunters, esse discão do Parliament. Parabéns.

    Aproveito p pedir uma postagem com The Meters que é outra banda clássica do funk.
    Ab
    PC

  3. sinistersaladmusikal diz:

    PC, legal que você gosta dessas bandas. Eu também curto pacas. Sobre o The Meters, adoro o som dos caras. Tenho vários LPs da trupe e pode deixar que uma hora eu posto aqui no blog algumas pérolas. Valeu!!

  4. Indicamos o seu blog para o Prêmio Selo Dardos de Reconhecimento.

    Para maiores informações, acesse o link abaixo:

    http://collectorsroom.blogspot.com/2009/02/premio-selo-dardos-de-reconhecimento.html

    Abraço, e continue com o excelente trabalho.

  5. Indiquei o BLOG ao Prêmio Selo Dardos de Reconhecimento.

    Maiores informações:

    http://colunabluesrock.blogspot.com/2009/02/premio-selo-dardos-de-reconhecimento.html

    Parabéns! Continue o excelente trabalho.

    Ugo Medeiros

  6. sinistersaladmusikal diz:

    Caramba!! Que demais!! Cadão e Ugo, nem tenho palavras para agradecer a indicação de vocês, brothers. Isso mostra que o Sinister Salad Musikal está no caminho certo e em breve conquistará o mundo (risos). Também deixo aqui meus parabéns pelos excelentes blogs que vocês editam. Tanto a Coluna Blues Rock, quanto a Collectors Room – que colaboro com o maior prazer – são simplesmente sensacionais e altamente indicados para aqueles que curtem os bons sons. Valeu!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: