SINISTER VINYL COLLECTION: THE KINKS – FACE TO FACE (1966)

Maio 6, 2010

Artista: The Kinks

País: United Kingdom  

Álbum: Face To Face

Ano de lançamento: 1966

Formação: Ray Davies (vocal principal e guitarra rítmica), Dave Davies (guitarra solo, guitarra rítmica e vocal), Pete Quaife (baixo e vocais), Mick Avory (bateria e percussão) e as participações de Nicky Hopkins (piano e cravo) e Rasa Davies (vocais de apoio).

Produção: Shel Talmy

Gênero musical: Rock

Selo: PRT (aka Pye Records) / LM-1042

Prensagem: Spain   

Lado A: 01. Party Line / 02. Rosy Won’t You Please Come Home / 03. Dandy / 04. Too Much on My Mind / 05. Session Man / 06. Rainy Day in June / 07. House in the Country  

Lado B: 01. Holiday in Waikiki / 02. Most Exclusive Residence for Sale / 03. Fancy / 04. Little Miss Queen of Darkness / 05. You’re Lookin’ Fine / 06. Sunny Afternoon / 07. I’ll Remember

THE KINKS – PARTY LINE

THE KINKS – ROSY WON’T YOU PLEASE COME HOME

THE KINKS – DANDY

RAY DAVIES – TOO MUCH ON MY MIND

THE KINKS – SESSION MAN

THE KINKS – RAINY DAY IN JUNE

THE KINKS – HOUSE IN THE COUNTRY

THE KINKS – HOLIDAY IN WAIKIKI

THE KINKS – MOST EXCLUSIVE RESIDENCE FOR SALE

THE KINKS – FANCY

THE KINKS – LITTLE MISS QUEEN OF DARKNESS

THE KINKS – YOU’RE LOOKIN’ FINE

THE KINKS – SUNNY AFTERNOON

THE KINKS – I’LL REMEMBER

Anúncios

SINISTER VINYL COLLECTION: THE KINKS – THE KINK KONTROVERSY (1965)

Maio 6, 2010

Artista: The Kinks

País: United Kingdom   

Álbum: The Kink Kontroversy

Ano de lançamento: 1965  

Formação: Ray Davies (vocal principal, guitarra rítmica e harmônica), Dave Davies (guitarra solo, guitarra rítmica e vocal), Pete Quaife (baixo e vocais) e Mick Avory (bateria e percussão).

Produção: Shel Talmy

Gênero musical: Rock

Selo: Earmark / 42003 (vinil 180 gramas)

Prensagem: Italy  

Lado A: 01. Milk Cow Blues / 02. Ring the Bells / 03. Gotta Get the First Plane Home / 04. When I See That Girl of Mine / 05. I Am Free / 06. Till the End of the Day

Lado B: 01. The World Keeps Going Round / 02. I’m on an Island / 03. Where Have All the Good Times Gone / 04. It’s Too Late / 05. What’s in Store for Me / 06. You Can’t Win

THE KINKS – MILK COW BLUES

THE KINKS – RING THE BELLS

THE KINKS – GOTTA GET THE FIRST PLANE HOME

THE KINKS – WHEN I SEE THAT GIRL OF MINE

THE KINKS – I AM FREE

THE KINKS –  TILL THE END OF THE DAY

THE KINKS – TILL THE END OF THE DAY

THE KINKS – THE WORLD KEEPS GOING ROUND

THE KINKS – I’M ON AN ISLAND

THE KINKS – WHERE HAVE ALL THE GOOD TIMES GONE

RAY DAVIES – WHERE HAVE ALL THE GOOD TIMES GONE

THE KINKS – IT’S TOO LATE

THE KINKS – WHAT’S IN STORE FOR ME

THE KINKS – YOU CAN’T WIN


KINKS – ARTHUR (OR THE DECLINE AND FALL OF THE BRITISH EMPIRE) (1969)

Novembro 19, 2008

    Um dos maiores representantes do rock britânico, os Kinks também foram protagonistas da chamada Invasão Britânica – um marco na história do rock, cujo estopim foi o desembarque dos Beatles no aeroporto de Nova Iorque, em fevereiro de 1964. O fenômeno foi responsável pela popularização de bandas inglesas na terra do Tio Sam, lançando no mercado americano não só os Beatles, como os Rolling Stones, The Who, The Animals, Yardbirds, Small Faces… e claro, os Kinks, uma das prediletas da casa. 

    Nascido das cinzas do Ravens em 1963, o grupo Kinks era composto em sua formação original pelos irmãos Ray Davies – vocalista, guitarrista, principal compositor e também a alma da banda – e Dave Davies (guitarra e vocais) e ainda Pete Quaife (baixo e vocais) e Mick Avory (bateria). Nem sempre tão lembrados como os Fab Four ou os Stones, mas tão importantes e influentes quanto, tocaram do rock and roll ao pop, passando pelo rhythm and blues, psicodelismo, country e folk. Com o single “You Really Got Me” em 1964, alcançaram o primeiro lugar na parada britânica, lançando as bases do hard rock.

 

    O som dos Kinks pode ser pressentido principalmente através dos acordes potentes e distorcidos da guitarra de Dave e claro, nas sensacionais composições de humor refinado interpretadas por Ray, um autêntico cronista do modo de vida britânico e simplesmente um dos melhores letristas da história do rock. Legítimos “bad boys”, desenvolveram uma carreira cercada de polêmicas, envolvendo conflitos internos, agressões mútuas entre os músicos e condutas deploráveis em algumas turnês.

 

    Nos Estados Unidos, após performances viscerais na tour de 1965, foram proibidos de pisar em solo americano até meados de 1969. Os motivos nunca foram revelados, mas o comportamento selvagem nos palcos, as desavenças com os promotores locais por causa dos cachês, shows inacabados ou cancelados e as confusões e brigas envolvendo os integrantes são alguns dos fatores que certamente contribuiram para que o veto ocorresse. A “doce” relação entre os irmãos Davies foi definida pelos próprios na música “Hatred (A Duet)”, do disco Phobia de 1993: “O ódio é a única coisa que nos une”.

 

 

    Com uma carreira sólida que se estendeu até 1996, gravaram mais de 30 álbuns, alguns indispensáveis como a estréia homônima (64), Kinks-Size (65), The Kinks Kontroversy (65), Face To Face (66), Something Else By The Kinks (67), The Village Green Preservation Society (68), Lola Versus Powerman and the Money-Go-Round – Part One (70) ou Muswell Hillbillies (71), só pra citar alguns. O disco que escuto neste momento é sem dúvidas um dos meus favoritos: Arthur (Or The Decline And Fall Of The British Empire).

 

    Lançado em 1969, Arthur era a trilha sonora de um projeto da TV Britânica que acabou não indo adiante, no qual Ray Davies colaborava com o dramaturgo e roteirista Julian Mitchell. Um álbum menosprezado pela crítica da época e atropelado meses depois pela ópera rock Tommy do The Who. Considerado ultrapassado e recebido de forma gélida pelos súditos da coroa, o long-play passou longe das paradas de sucesso e vendeu pouco, tornando-se um fracasso comercial do selo Pye. Algo que não dá para entender, já que o registro é simplesmente maravilhoso. Arthur marca também a estréia do baixista John Dalton(ex-Mark Four) como membro fixo, substituindo Pete Quaife, que preferiu respirar novos ares, montando a sua própria banda, o Mapleoak.

 

    Obra conceitual retratando o declínio e a queda do Império Britânico pós Segunda Guerra Mundial, numa crônica debochada e miserável de Mr. Ray Davies. Um almanaque sonoro contendo uma coleção de críticas sociais e políticas das mais irônicas ao modo de vida britânico, em meio à reconstrução nacional do pós-guerra. O que se ouve são verdadeiros hinos detonando as guerras, o imperialismo, a monarquia reinante e o establishment inglês. Letras sarcásticas disparando contra a pequena burguesia, a decadência moral e econômica, o panorama desalentador da classe operária, o incógnito mercado de trabalho em outro país, lavagem cerebral e repressão institucional, vitórias e derrotas, sonhos e desilusões, o glorioso e o banal.

 

    Faixas altamente pegajosas, embaladas por levadas empolgantes, numa sucessão de melodias e composições insuperáveis. Belos arranjos vocais, riffs memoráveis, orquestrações, naipe de metais e seção rítmica made Távola Redonda, com o quarteto mostrando porque era a mais inglesa das bandas inglesas. O que dizer de maravilhas como “Victoria”, “Yes Sir, No Sir”, “Some Mother’s Son”, “Drivin”, “Brainwashed”, “Austrália”… e eu nem cheguei no lado B do vinil. Não preciso falar mais nada… escutem e tirem as suas conclusões! Um chiclete sonoro… simples assim!

 

 

    Obra-prima à parte, o que me motivou a postar esta resenha foi a confirmação, no último dia 5, de que a banda está voltando à ativa após um recesso de 12 anos. O anúncio foi dado à BBC de Londres por ninguém menos que Ray Davies, que afirmou que um álbum de inéditas já vem sendo esboçado, possivelmente para ser lançado em 2009.

 

    Esse retorno, por sinal, vem sendo cogitado há alguns anos, mas foi adiado por conta do quadro de saúde dos irmãos Davies. Em 2004, enquanto Dave sofria um derrame cerebral, Ray era alvejado com um tiro na perna, após uma perseguição a assaltantes. Reestabelecidos, parece que agora o negócio é pra valer. Não foram divulgadas datas de lançamentos ou shows, mas uma coisa é certa: o retorno aos palcos será com a formação clássica. Fiquei na espectativa!

 

    Por enquanto, resta aguardar novas informações sobre a volta desta banda fantástica e escutar a versão vitaminada de Arthur lançada em 1998, com várias faixas bônus. Discoteca básica!  
 
Faixas: 01. Victoria / 02. Yes Sir, No Sir / 03. Some Mother’s Son / 04. Drivin’/ 05. Brainwashed / 06. Australia / 07. Shangri-La / 08. Mr. Churchill Says / 09. She’s Bought a Hat Like Princess Marina / 10. Young and Innocent Days / 11. Nothing to Say / 12. Arthur / Bônus: 13. Plastic Man (mono single version) / 14. King Kong (mono single version) / 15. Drivin’ (mono single version) / 16. Mindless Child Of Motherhood (mono single version) / 17. This Man He Weeps Tonight (mono single version) / 18. Plastic Man (unreleased stereo version) / 19. Mindless Child Of Motherhood (unreleased stereo version) / 20. This Man He Weeps Tonight (unreleased stereo version) / 21. She’s Bought A Hat Like Princess Marina (unreleased mono version) / 22. Mr. Shoemaker’s Daughter (bonus)
 
KINKS – VICTORIA
 

 

KINKS – YES SIR, NO SIR

 

KINKS – SOME MOTHER’S SON

KINKS – DRIVIN’

KINKS – BRAINWASHED

KINKS – AUSTRALIA

RAY DAVIES – SHANGRI-LA

KINKS – MR. CHURCHILL SAYS

KINKS – SHE’ S BOUGHT A HAT LIKE PRINCESS MARINA

KINKS – NOTHING TO SAY

KINKS – ARTHUR