ROBERT PLANT / ALISON KRAUSS – RAISING SAND (2007)

Fevereiro 23, 2008

    O disco Raising Sand de Robert Plant e Alison Krauss foi sem dúvidas um dos melhores lançamentos fonográficos do ano passado. Quem ainda não escutou esta belezinha tem que correr atrás. 2007, aliás, foi providencial para o roqueiro britânico que, além deste belo trabalho com a atual diva do bluegrass americano, reuniu os velhos comparsas  Jimmy Page e John Paul Jones – e ainda Jason Bonham, filho do mítico baterista John “Bonzo” Bonham, morto em 1980 – para celebrar a volta do Led Zeppelin em um show histórico, em Londres.

 

    Enquanto especula-se uma turnê mundial e um disco de inéditas da lendária banda inglesa, resta  torcer para que o Brasil esteja na rota da tour já anunciada de Raising Sand, com início previsto para abril, nos Estados Unidos e Europa. Quem sabe a trupe não chega por estas bandas… Caros amigos, seria sensacional.

 

    Raising Sand é daqueles discos que curto cada vez mais a cada nova audição. Se você é um daqueles que espera pelo approach e a sonoridade pesada dos tempos zeppelianos, pode tirar o cavalinho da areia (ops). Gravado em Nashville e Los Angeles, conta com a produção do renomado músico e produtor T Bone Burnett (de trabalhos com Roy Orbison, Los Lobos, Elvis Costello e Wallflowers, entre tantos) e mostra a harmonia do combinado Plant/Krauss embalando canções acústicas nos formatos folk, country, rock e r&b. Um dueto zen que caiu redondo tal qual um gole de conhaque numa noite de inverno.  

Robert Plant e Alison Krauss: afinidade com os bons sons

    Mister Robert Plant é um senhor tomado de amadurecimento, cantando sem afetações e demonstrando uma tranqüilidade e paz interior de causar inveja a um coral de monges budistas. E Alison Krauss te pega de jeito com sua voz aguda, melódica e confortante, vinda de outra dimensão (escute “Sister Rosetta Goes Before Us”, “Trampled Rose” ou “Let Your Loss Be Your Lesson”, por exemplo, e diga se estou mentindo). Como se não bastasse seu canto angelical, Alison ainda toca violino, deixando as melodias ainda mais próximas do paraíso.

 

    Músicas dos Everly Brothers (“Gone Gone Gone – Done Moved On”), Tom Waits (“Trampled Rose”), Gene Clark, pós The Byrds  (“Polly Come Home” e “Through The Morning, Through The Night”), Townes Van Zandt (“Nothin”) e Plant / Jimmy Page (“Please Read the Letter”, gravada pelos parceiros no álbum Walking Into Clarksdale, de 1998 ) se destacam em meio a outras canções não menos inspiradas. Percursos naturais para absorver esta obra sensível, cativante e de muito bom gosto que traz na seção rítmica convidados de naipe afiado: o guitarrista  Marc Ribot (Los Cubanos Postizos, Tom Waits, John Zorn), o batera Jay Bellerose (Bill Frisell / Nina Nastasia), Dennis Crouch (Johnny Cash / Nashville Bluegrass Band) no baixo acústico e Riley Baugus, que se reveza com Ribot no banjo.

 

    De uma cumplicidade e simplicidade que chegam a emocionar. Contra-indicado para batráquios rastejantes, insensíveis ou energúmenos.

 

Faixas: 01. Rich Woman / 02. Killing The Blues / 03. Sister Rosetta Goes Before Us / 04. Polly Come Home / 05. Gone Gone Gone (Done Moved On) / 06. Through The Morning, Through The Night / 07. Please Read The Letter / 08. Trampled Rose / 09. Fortune Teller / 10. Stick With Me Baby / 11. Nothin’ / 12. Let Your Loss Be Your Lesson / 13. Your Long Journey

 

PLANT / KRAUSS – RICH WOMAN

PLANT / KRAUSS – KILLING THE BLUES

PLANT / KRAUSS – SISTER ROSETTA GOES BEFORE US

PLANT / KRAUSS – POLLY COME HOME

PLANT / KRAUSS – GONE GONE GONE (DONE MOVED ON)

PLANT / KRAUSS – THROUGH THE MORNING, THROUGH THE NIGHT

PLANT / KRAUSS – PLEASE READ THE LETTER

PLANT / KRAUSS – TRAMPLED ROSE

PLANT / KRAUSS – FORTUNE TELLER

PLANT / KRAUSS – STICK WITH ME BABY

PLANT / KRAUSS – NOTHIN’

PLANT / KRAUSS – LET YOUR LOSS BE YOUR LESSON

PLANT / KRAUSS – YOUR LONG JOURNEY

Anúncios