MARKU RIBAS – UNDERGROUND (1973) / MARKU (1976)

   

Mineirinho comendo pelas beiradas, dono do queijo, da bola e da corda que laçou toda uma leva de músicos da black music nacional nos anos 70 e nas décadas seguintes. Compositor, mestre na percussão e violão e dono de uma voz poderosa e marcante. Tropeçou no obscurantismo e no descaso da mídia por décadas e agora, aos poucos, vai sendo redescoberto pelo pessoal que curte a suingueira. Falo de Marku Ribas, expoente da mistura de ritmos brasileiros, jamaicanos e caribenhos, trazendo no sangue a ginga malandra do samba-rock, do balanço black e do jazz.

Na ativa e em plenos pulmões, este mineiro de Pirapora vem nos últimos tempos ganhando terreno e conquistando novos admiradores no Brasil e no exterior. Mesmo subestimado, seu prestigio e influência nas rodas de bamba só tem aumentado. Prova disso é o desenvolvimento de parcerias com diversos nomes da nova geração da música brasileira: Clube do Balanço, Ed Motta, Max de Castro, BID, Paula Lima, Curumin, Marcelo D2, entre outros.

Escutar Marku Ribas é mergulhar de cabeça na onda black da música nacional dos anos 70. E aí meu amigo, a lista dos bons sons é um prato bem servido: Jorge Ben, Tim Maia, Cassiano, Carlos Dafé, Trio Mocotó, Impacto 8, Raul de Souza, Banda Black Rio, Dom Salvador e Abolição, Gerson King Combo, Toni Tornado, Di Melo, Miguel de Deus, União Black… só coisa boa! Um antídoto perfeito pra cair na suingueira deslavada.

Falando sobre a discografia do patrono do samba-rock, dois álbuns eu considero fundamentais não só na sua carreira, como também na história da música brasileira: Underground, lançado em 1973 e Marku, de 1976. Dissecando…

UNDERGROUND ( 1973 ) 

Underground, de 1973, é um clássico para quem entende da matéria. Com arranjos do maestro Erlon Chaves, traz pérolas musicais como a maravilhosa “5,30 Schoelcher”, num arranjo impecável e letra memorável: “… raios solares entram na minha mente, iluminando o coração / e meu espírito contente me mostra a direção do mar…” Se você conhece a letra, só falta agora jogar a moringa no chão e relaxar.

“N’ Biri N’ Biri” é nada menos que brilhante adaptação para  música do folclore africano. “Pacutiguibê Iaô“ injeta percussão e suingue nos poros, num provável hit em terreiro de Umbanda… saravá! “Matinic Moins” mostra influências de sua estada de 7 anos na Martinica, com a verve latina em ação e guitarrinha a la Santana no final. “Orange Lady” é samba-fruit-rock [sic] com caldo e bagaço pra lá de dançantes e letra que narra um barraco no salão de baile às 3 da matina. Pegou geral!

Mas o destaque é mesmo a praieira “Zamba Ben”, clássico absoluto e verdadeiro hino do samba-rock. Gravada na época da ditadura militar, quase foi vetada pela impiedosa censura da época. Marku compôs a música original sem letra, a fim de usar sua voz como um instrumento. Um dos censores encasquetou com aqueles dialetos indecifráveis e pediu uma letra pra música ser aprovada. Marku escreveu a letra na hora e a música, enfim, foi liberada. No final, um drible aqui, uma pedalada lá e a música acabou sendo gravada da maneira original mesmo. É o craque do suingue a serviço dos bons sons. A letra, belíssima por sinal, só seria resgatada em gravações futuras. Como é que é aquele trecho mesmo? Ah é…

*

Zambei demais / Que de manhã eu lá na praia acordei
Zambei demais / Que de manhã eu me encontrei
Deitado à sombra de um coqueiro / como quem espera a vida passar
Minha nega do meu lado / dizia: “Amor o mar tá gelado
E o sol tá bom pra queimar”…

*

Vou dar um chuá, pegar um bronze e já volto… maravilha!!

MARKU (1976 ) 

Buenas, outro álbum fantástico e este Marku, lançado em 1976 e tão bom quanto o antecessor. Ribas manda ver com um time de grandes músicos, incluindo aí João Donato, Wilson das Neves, Luizão Maia, Chiquito Braga e Miucha, além de uma seção de metais que contava com Oberdan Magalhães, um dos mentores da lendária banda Black Rio. É outra acachapante mistura de diferentes estilos e ritmos musicais.

O disco abre com “Zi Zambi”, transbordando suingue até a medula, grudenta ao extremo e com uma levada rítmica contagiante.“Meu Samba Regue” é pioneira na fusão samba/reggae e traz el groove terrible conduzido por uma linha de baixo malandrérrima. “La pli Tombe” vem pontuada por ritmos caribenhos, numa adaptação de Ribas para música do folclore da Martinica. Tem a ginga do samba no pé no batuque descarado de “In Via Brasil”, com participação do conjunto Nosso Samba.

Nova leva de arranjos fantásticos em “Deixa Comigo” que diz que “na lua de julho quando o sol tá de rachar, eu quero ver você dançar”… Aí não tem jeito: siga o fluxo sonoro pela sombra e caia de vez no groove. “Curumin” é das prediletas da casa e segue descarregando uma linha melódica de arrepiar. “Kazumbanda” fecha com chave de ouro em uma performance instrumental belíssima e interpretação vocal monstro de Ribas, que canta “eu vou dar o pira, vou embora…” Nada mais que a gíria dos velhos tempos na cadência do black power. Demais!

 Lembro que achei esses vinis na loja do Carlinhos, a Disco 7, no centro de SP, por um precinho camarada. De quebra ainda levei o segundo do Trio Mocotó e outros grooves raros. Neste link, dá pra escutar algumas músicas desses dois discos de Marku Ribas…

http://profile.myspace.com/index.cfm?   fuseaction=user.viewprofile&friendid=158712102 

Em 2002, saiu a coletânea Marku 72/75 reunindo canções destes dois discos. O título da compilação se refere aos anos em que os plays foram gravados, mas lembro aqui que os bolachões só chegaram às lojas em 1973 e 1976.

Marku também lançou um DVD comemorando 40 anos de carreira no começo do ano. Nessa longa tragetória, seu “Zamba Ben” foi regravado e sampleado por diversos artistas. Em 2001, no disco Swing & Samba-Rock, o Clube do Balanço chamou Ribas pra cantar os versos deste clássico. Outra participação recente pode ser notada no disco Bambas & Biritas do músico Bid (ex-Funk Como Le Gusta) na faixa “Fora do horário comercial”… Deveras fantástica!

Enfim, esses dois discos e outros como Barrankeiro e Cavalo das Alegrias, por exemplo, são ítens obrigatórios pra quem quer conhecer o melhor da discografia deste grande músico mineiro. É Marku Ribas na cabeça! Eu vou dar o pira… até!

 “Vamos nessa negritude
Deixe o sol brilhar em tí
Vamos tomar atitude
Como nosso irmão Zumbí” 

MARKU RIBAS – ZAMBA BEN

MARKU RIBAS – ZAMBA BEN

MARKU RIBAS – ZAMBA BEN

MARKU RIBAS – 5:30 SCHOELCHER

MARKU RIBAS – N’ BIRI N’ BIRI

MARKU RIBAS – PORTO SEGURO

MARKU RIBAS – PACUTIGUIBÊ IAÔ

MARKU RIBAS – MADININA

MARKU RIBAS – TIRA TEIMA

MARKU RIBAS – ORANGE LADY

MARKU RIBAS – ZI BAMBI

MARKU RIBAS – MEU SAMBA REGUE

MARKU RIBAS E OS OPALAS – CURUMIM

MARKU RIBAS – KAZUMBANDA

LUANDA COZETTI E JORGE MACARRÃO – N’ BIRI N’ BIRI

BID E MARKU RIBAS – FORA DO HORÁRIO COMERCIAL

TRACK LISTING

*Faixas Underground:

Zamba Ben – 5 :30 Schoelcher – O Adeus Segundo Maria – N’ biri N’ biri – Porto Seguro – Pacutiguibê Iaô – Madinina – Tira Teima – Matinic Moins – Orange Lady 

*Faixas Maku:

Zi Bambi – Coisas de Minas – Meu Samba Regue – La Pli Tombé – Canaviá – Kaçuada – Deixa Comigo – Curumim – In Via Brasil – Kazumbanda 

Discografia:

• Flamingo – 1965

• Déo e Marco – 1967

• Batuki – 1970

• Underground – 1973

• Marku – 1976

• Barrankeiro – 1977

• Cavalo das Alegrias – 1979

• Mente e Coração – 1980

• 20 Anos – 1983

• Autóctone – 1991

 18 sucessos de ouro  1997

• Cor da Pele – 1997

• Coletânea 72/75 – 2002

Participações em outros discos:

• Hugues Aufray – 1970

• Frida Bocarra – 1970

• Liquid Rock – Hit Parade Martinica – 1972.

• Tim Maia e Convidados – 1977

• Emílio Santiago, Alcione e Jair Rodrigues – 1977

• Sebastião Tapajós – 1978

• Maurício Einhorn – 1979

• Chico Buarque – Ópera do Malandro – 1979

• Chico Buarque – Vida – 1980

• Mick Jagger – She’s the Boss – 1984

• Rolling Stones – Dirty Work – 1985

• Clube do Balanço – Swing & Samba-Rock – 2001

• Marcelo D2 – Hip-Hop-Rio – 2001

• Marcelo D2 – A procura da batida perfeita – 2003

• Alabê de Jerusalén –Peça em DVD de Altair Veloso – 2003

• CD Ecos do São Francisco – 2003

• Coletivo Universal – 2004

• Marcelo D2 – MTV ao Vivo – 2005

• BiD – Bambas & Biritas – 2005

23 respostas a MARKU RIBAS – UNDERGROUND (1973) / MARKU (1976)

  1. Carlos Amaral diz:

    Marku Ribas é um gênio incompreendido da MPB. Esses discos resenhados são muito bons mesmo. Gostei.

  2. sinistersaladmusikal diz:

    Valeu, Carlos. Também considero Marku Ribas genial.
    Abraços

  3. pocapoc diz:

    great music thanx!

  4. bETO diz:

    MPB de primeira. Blog de primeira. Muito bom.

  5. […] Este disco pode ser buscado no Sinister Salad Musikal´s Weblog […]

  6. sinistersaladmusikal diz:

    Opa! Legal!

  7. Alguém sabe onde encontrar os outros discos do Marku?

  8. sinistersaladmusikal diz:

    Pra baixar, você diz? Sinceramente, não procurei.
    Vou ver se acho algum link e posto aqui qualquer hora.
    Abraço

  9. Adorei seu blog, deixei nos meus favoritos! parabéns, quando der visite o meu blog http://sofamosidade.blogspot.com, bjs..

  10. sinistersaladmusikal diz:

    Legal, Renata! Obrigado pela visita!
    Bjão

  11. […] This post was mentioned on Twitter by Tádzio França, Alex de Souza. Alex de Souza said: Viva Marku Ribas! http://bit.ly/9Q0Y7S […]

  12. Brauer diz:

    Intimately, the post is in reality the greatest on that worthy topic. I suit in with your conclusions and also definitely will thirstily look forward to your forthcoming updates. Saying thanks can not just be sufficient, for the great lucidity in your writing. I will perfect away grab your rss feed to stay privy of any kind of updates. Authentic work and also much success in your business endeavors!

  13. sinistersaladmusikal diz:

    Thanks for following the blog.
    Hug

  14. Topsy.com diz:

    Mineirinho comendo pelas beiradas, dono do queijo, da bola e da corda que laçou toda uma leva de músicos da black music nacional nos anos 70 e nas décadas seguintes. Compositor, mestre na percussão e violão e dono de uma voz poderosa e marcante. Tropeçou no obscurantismo e no descaso da mídia por décadas e agora, aos poucos, vai sendo redescoberto pelo pessoal que curte a suingueira. Falo… more

    http://topsy.com/sinistersaladmusikal.wordpress.com/2007/10/01/marku-ribas/

  15. Grande mestre do Samba Rock e da Música brasileira.
    Parabens pelo lindo trabalho, é um prazer fazer parte dele.
    Um grande abraço

  16. sinistersaladmusikal diz:

    Valeu pelo comentário, Hugo.
    Estava vendo no YouTube alguns vídeos que mostram o seu trabalho com o mestre Marku Ribas. Meu amigo, deve ser mesmo maravilhoso fazer parte da banda dele. Aproveitei a deixa e dei uma zapeada na sua página do MySpace. Achei bem bacana o seu projeto solo, mais calcado nas trincheiras do jazz. Parabéns pelos belos trabalhos desenvolvidos e sucesso.
    Abraço

  17. Encontrei um bom texto sobre o homem e seus discos aqui. Vai um trecho:

    “Mineirinho comendo pelas beiradas, dono do queijo, da bola e da corda…

    http://traficoilegaldemusica.blogspot.com/2010/05/marku-ribas-underground-1973.html

  18. sinistersaladmusikal diz:

    Opa, valeu!

  19. sinistersaladmusikal diz:

    Caramba, acabo de saber que mestre Marku nos deixou. O anúncio foi feito pela produção do artista, em sua página oficial no Twitter. Segue a nota de falecimento:

    “Nós, da produção de @marku ribas, em conjunto aos seus familiares, informamos aos fãs e amigos que hoje, 6 de abril de 2013, o mestre partiu para fazer parcerias celestes. Agradecemos a força, as orações, parcerias e grandes amizades seladas nesses 65 anos de vida e 50 anos de carreira. Esse legado jamais perecerá”.

    Puts, perda irreparável para a música brasileira. Para serenar minha tristeza, só mesmo escutando seus discos nesta madruga. Descanse em paz, mestre!

  20. Lucas Jeison. diz:

    Salve Marcão,
    RIP dos grandes. Lembrando que me tornei fã do mestre através de seu blog, quando você publicou essa bela resenha.
    Tu manja!
    Abraços.

  21. sinistersaladmusikal diz:

    Grande Lucas!
    Pôxa vida, tô triste pacas, na fossa, tomando um whiskinho e escutando 5:30 Schoelcher na madruga.
    Valeu meu camarada.
    Abraço

  22. Marku Ribas – expoente da mistura de ritmos brasileiros

    Mineirinho comendo pelas beiradas, dono do queijo, da bola, e da corda que laçou toda uma leva de músicos da black music nacional…

    http://www.rockbrasileiro.com/site/paredao.php?id=189

  23. sinistersaladmusikal diz:

    Valeu!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: