GENTLE GIANT – ACQUIRING THE TASTE (1971)

Infalivelmente uma das mais fascinantes e criativas agremiações do rock progressivo em todos os tempos, o Gentle Giant surgiu em 1970 a partir das cinzas do combo Simon Dupree and The Big Sound. O grupo britânico criado pelos irmãos Derek, Ray e Phil Shulman marcou seu nome na história do rock desenvolvendo uma sincronia sonora cabulosa, combinando prog rock, hard rock, jazz, folk e elementos de músicas medieval, renascentista, barroca e clássica.

Sua estrutura musical complexa, sofisticada e de raríssima beleza, conseguiu cativar este bolha sinistro ao longo dos anos, ao passo em que explorava a sua discografia. Bandaça, cujo símbolo e mascote é uma cria do escritor renascentista francês François Rabelais: ninguém menos que Pantagruel, o gigante gentil que inclusive protagoniza algumas das letras da turma. Em 10 anos de carreira, lançaram 12 discos oficiais – a maioria deles, verdadeiras pérolas do progressivo.

Os oito primeiros discos (mais o ao vivo Playing the Fool, de 1977) são essenciais para ir a fundo no que de melhor a banda produziu em uma década de existência, antes de encerrar as atividades em 1980. Já que o assunto são obras primas discográficas do Gigante Gentil, nada melhor do que postar aqui no blog o segundo álbum do grupo, lançado em 1971 pelo cultuado selo Vertigo: o experimental e sombrio Acquiring the Taste. Engraçado que não era o meu disco predileto da trupe – curtia mais o Three Friends (72), o Octopus (72) e o The Power and The Glory (74) – mas diríamos que com o tempo, fui adquirindo gosto pela coisa e hoje é o meu play favorito.

A formação aqui era a mesma do primeiro álbum homônimo, lançado em 1970: Derek Shulman (vocal, saxofone e clavicórdio), Ray Shulman (baixo, violino, viola, violão de 12 cordas, guitarra espanhola, tamborim e vocais), Phil Shulman (vocal, saxofone, trompete, clarinete, piano e maracas), Kerry Minnear (piano elétrico, órgão, Moog, mellotron, xilofone, vibrafone, clavicórdio, cravo, maracas e vocal), Gary Green (guitarras de 6 e 12 cordas, percussão e vocais) e Martin Smith (bateria, tamborim e percussão). É notável a parafernália de instrumentos pouco utilizados na esfera do rock. É também o segundo e último disco do GG com produção do mago Tony Visconti (que deitou fama produzindo trabalhos de David Bowie, T. Rex e outros tantos artistas e bandas no decorrer da carreira).

Gary Green, Ray Shulman e Kerry Minnear em 1975

A ousada capa de Acquiring The Taste trazia um desenho que, a princípio, mais parecia uma língua prestes a lamber um traseiro. Porém, ao abrir a capa dupla, a imagem pervertida é desvendada: o suposto traseiro não passa de um pêssego, próximo de ser devorado. Uma iguaria sonora pra lá de suculenta, contendo uma coleção magnífica de músicas estranhamente belas e dissonantes, feitas para pulverizar a mente dos incautos.

Faixas como “Pantagruel’s Nativity”, “Edge Of Twilight”, “The House, The Street, The Room”, “Wreck”, “The Moon Is Down”, “Black Cat” ou “Plain Truth” mostram toda a inventividade e técnica do sexteto: harmonias melódicas surreais, texturas sonoras fantásticas, camadas vocais assombrosas, riqueza absurda nas composições, arranjos estranhamente belos, ousadia instrumental sem igual e nada, nadinha de melodias fáceis. Tudo sob a tutela de músicos de outra dimensão. Um disco anticomercial, de sonoridade difícil e que deu a eles o status de banda cult. Um registro no mínimo indispensável!

Um detalhe é que todos os músicos que passaram pelo Gentle Giant – incluindo os bateristas Malcolm Mortimore (que participou do álbum Three Friends) e o maluquete John  Weathers (que estreou no excepcional Octopus e permaneceu na banda até o fim, gravando o derradeiro Civilian de 1980) – eram virtuoses em seus instrumentos. Kerry Minnear, por exemplo, não é só um dos melhores tecladistas da história do rock, como também é mestre arranjador e graduado em composição na Academia Real de Música. E o quê falar da versatilidade nas instrumentações dos irmãos Shulman? E quanto às geniais intervenções guitarrísticas de Gary Green? Surreal, meus amigos… surreal!

Derek Shulman segurando a onda do Gigante Gentil

Outro fator importante é que todos os integrantes cantavam. E como compreender o entrosamento vocal sobrenatural dessa turma? Coisa de louco! Uma combinação de vocais múltiplos e sincronizados, criando uma atmosfera do além. Os solos vocais ficavam a cargo principalmente de Derek Shulman (aquele com a voz mais grave e pesada), mas Kerry Minnear (com seu timbre suave e celestial) e Phil Shulman (cuja voz se situa, por suas características, no meio das duas anteriores, no meio-termo) também participam com maestria das vocalizações. Vale lembrar que Phil deixou a banda em 1973, pouco depois do lançamento do álbum Octopus.

No palco, o show de virtuosismo era marca registrada da banda. Todos eles multi-instrumentistas, chegavam a provocar admiração e assombro do público com a mudança freqüente de instrumentos, e também com a complexidade e a riqueza de suas composições e arranjos. Uma banda com um grau de excelência do mesmo nível de outros monstros sagrados do progressivo britânico como King Crimson, Yes ou Emerson, Lake & Palmer, por exemplo. Vejam o DVD Giant on the Box (com apresentações do grupo em emissoras de TV da Alemanha e dos Estados Unidos entre 1974 e 1975) e comprovem. Simplesmente fantástico!

Buenas, a verdade é que sou um bolha bem suspeito pra falar de Gentle Giant. Prova maior é que recomendo toda a discografia da banda, mesmo porque discos bem menos inspirados como The Missing Piece (77), Giant For a Day (78) ou mesmo Civilian (80), são bem melhores que muitas das babas sonoras produzidas na música de tempos em tempos. Certeza!

Faixas: 01. Pantagruel’s Nativity / 02. Edge Of Twilight / 03. The House, The Street, The Room / 04. Acquiring the Taste / 05. Wreck / 06. The Moon Is Down / 07. Black Cat / 08. Plain Truth

SINISTER VINYL COLLECTION: GENTLE GIANT – ACQUIRING THE TASTE (1971)

GENTLE GIANT – ACQUIRING THE TASTE (1971) [álbum completo]

GENTLE GIANT – PANTAGRUEL’ S NATIVITY

GENTLE GIANT – EDGE OF TWILIGHT (WITH THE MUPPETS)

THREE FRIENDS (KERRY MINNEAR, GARY GREEN, MALCOLM MORTIMORE…) – THE HOUSE, THE STREET, THE ROOM

GENTLE GIANT – WRECK

GENTLE GIANT – THE MOON IS DOWN

GENTLE GIANT – BLACK CAT

GENTLE GIANT – PLAIN TRUTH

20 respostas a GENTLE GIANT – ACQUIRING THE TASTE (1971)

  1. sergio diz:

    Sua admiração por esse bandaço inesquecível deixa-me até constrangido. Há muito, tvz até, nunca, não vira uma resenha tão apaixonada ao mesmo tempo tão embasada.
    Eu só sei ouvir e re-escutar, geralmente, babando.
    Abraço

  2. sinistersaladmusikal diz:

    Não se acanhe, Sergio. Uma banda sensacional como o Gentle Giant merece todos os adjetivos engrandecedores possíveis. Sou um fã obcecado e estava devendo uma postagem do GG aqui no Sinister.
    Ah, já andei dando uma olhadela no seu blog e sua resenha sobre o Three Friends está excelente. Outro discaço da trupe. Já vi que você gosta pouco da banda também, não é? hehe
    Valeu, man!!

  3. Paulo Sacarinni diz:

    Mandou bem.
    Meu top 5:

    1° Octopus
    2° Power And The Glory
    3° Glass House
    4° Acquiring The Taste
    5° o primeiro

  4. sinistersaladmusikal diz:

    O que seria de um bolha sem as famigeradas listas, né Paulão. (risos)
    Gostei do seu Top 5. Valeu pela visita. Abraço

  5. tamer diz:

    senha?

  6. sinistersaladmusikal diz:

    Opa, Tamer!
    Então, o primeiro link que postei, acabei de baixar o arquivo e está ok. O segundo link não estava mais funcionando e troquei por outro. Ambos não precisam de senha para serem abertos. Manda bala!
    Abraço

  7. Eduardo Romitelli diz:

    Muito bom post. O álbum é maravilhoso.

    Acabei de adquirir o vinyl(da cultuada Vertigo, óbvio) e estou ouvindo no momento em que escrevo. Maravilhoso álbum! O lado A é simplesmente incrível.

    Por sinal, recomendo que ouçam no formato original, o LP.

  8. sinistersaladmusikal diz:

    É isso aí, Eduardo.
    O lance é ter o disco original. Coisa de bolha, claro!
    Abraço

  9. Lucas diz:

    O link esta quebrado

  10. sinistersaladmusikal diz:

    Opa Lucas! Encontrei outros 2 links do disco hospedados na internet. Divirta-se!

  11. mbt diz:

    great experience, dude! thanks for this great

    Articles wow… it’s very wonderful report.

  12. sinistersaladmusikal diz:

    Thanks, man! I love Gentle Giant!
    Thanks for your comment.
    Hugs

  13. Thank you, that was extremely valuable and interesting…I will be back again to read more on this topic.

  14. sinistersaladmusikal diz:

    Thanks, I’m glad you enjoyed.
    Hugs

  15. bidou diz:

    Hello,

    This is a question for the webmaster/admin here at sinistersaladmusikal.wordpress.com.

    Can I use some of the information from this blog post above if I provide a backlink back to this site?

    Thanks,
    Peter

  16. sinistersaladmusikal diz:

    No problem, Peter. Just put the credits, ok!
    Thanks.

  17. Cloonn diz:

    I read a few topics. I respect your work and added blog to favorites.

  18. Anónimo diz:

    I just came across your blog and wanted to say that I have really enjoyed reading your blog posts. Any way I’ll be subscribing to your feed and I hope you post again soon.

  19. How are you, I was just looking through some blogs and I got to your blog from another site. I read some of your blog posts and think they are awesome. Thanks, I’ll try to stop by your website soon.

  20. sinistersaladmusikal diz:

    Thanks, guys!
    Hugs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: